História 2017-11-16T10:50:40+00:00

HISTÓRIA

Em 2011, o pesquisador Ernesto Martins Faria, que fazia pesquisas em educação já há quatro anos, criou o blog Estudando Educação. Nele, publicava análises de temas relevantes à educação brasileira, prezando sempre por evidências (números e dados) e contexto educacional.

Mais do que apontar eventuais caminhos para a educação no país, o objetivo do blog era promover discussões sobre o assunto e ajudar a qualificá-las. Acredita-se que, em grande medida, esse propósito foi cumprido. Em três meses, 22 reportagens foram publicadas em sites, jornais e revistas ou veiculadas em emissoras de rádio e TV tendo como base análises publicadas no blog ou entrevistas concedidas por Ernesto.

De 2012 a 2017, Ernesto prosseguiu esse trabalho de apoio aos jornalistas liderando a área de pesquisas da Fundação Lemann.

Entre os exemplos bem sucedidos de apoio a jornalistas está a série de reportagens “Aula de Excelência na Pobreza”, publicada pelo jornal O Globo, e vencedora, em 2012, do prêmio Esso de Jornalismo e do prêmio Imprensa Embratel de Jornalismo, ambos na categoria Educação.

A criação do QEdu, plataforma que disponibiliza dados educacionais de forma simples e interativa, e o curso “Investigando a Qualidade da Educação com Dados Públicos”, parceria da Fundação Lemann e a Abraji, também são exemplos de projetos com coordenação de Ernesto que davam suporte a profissionais de comunicação em educação.

A alta demanda de jornalistas por apoio evidenciou uma distante relação entre pesquisadores, comunicadores e gestores, que faz com que importantes pesquisas acadêmicas não sejam conhecidas do público e nem cheguem aos implementadores de políticas educacionais.

Percebeu-se que, de um lado, há jornalistas em busca de dados e evidências para suas reportagens. De outro, pesquisadores com dissertações e teses valiosas que poderiam ter um efeito muito positivo se ultrapassassem as paredes da academia e fossem divulgadas em larga escala. E esses grupos poderiam dialogar mais.

Desta vontade de atuar de forma mais abrangente, robusta e estruturada, nasceu, em outubro de 2017, o Interdisciplinaridade e Evidências no Debate Educacional (Iede). Entre os principais pilares de atuação do instituto, está justamente dar suporte ao trabalho de jornalistas, divulgando pesquisas e dados educacionais bem contextualizados, além de conectá-los a especialistas na área de educação.

O Iede acredita que é fundamental uma integração maior entre os diversos segmentos da sociedade, como alunos, pais, educadores, gestores, formadores de opinião e pesquisadores, para promover os tão necessários avanços que a educação brasileira precisa.